O Meu Bêbado

bar especial para bêbados

Um bar muito especial

Nunca falei do meu bêbado. Sendo mulher dum, penso que até ficava mal não o apresentar, pois ele é a inspiração destas crónicas aos “esses”, perfeitamente incapacitadas para fazerem um “quatro”!

Sobre o Meu Bêbado

O meu bêbado é um verdadeiro, autêntico e puro amante do néctar dos deuses, seja lá isso o que for! Nunca deixa os seus créditos por mãos alheias. Em estado de euforia, desenvolve as mais interessantes teorias acerca da optimização das uvas, e da escolha criteriosa dos grãos de cevada. De notar que, sendo ele alfacinha de gema, as únicas uvas que conhece são as que compra no mercado para comer à sobremesa e não sabe distinguir um grão de cevada dum grão de soja. Mas mesmo assim, as suas teses são eloquentes. Continuar a ler

O Papa e as Escolas

Mafalda, quando um país se gasta, onde é que o despejam?

Hoje, quando fui buscar a minha filha mais nova à escola, aluna do segundo ano do ensino básico, ela entregou-me uma informação da professora com o seguinte conteúdo:

1º – No dia 3 de Maio não haverá aula porque a professora irá faltar, por questões pessoais. Perfeito, nada a apontar, a professora da minha filha, felizmente, é uma profissional assídua e esta será a segunda vez que a senhora falta ao trabalho, neste ano lectivo. Continuar a ler

Viva o 25 de Abril!

“Era uma vez um país de tal maneira explorado, pelos consórcios fabris, pelo mando acumulado, pelas ideias nazis, pelo dinheiro estragado, pelo dobrar da cerviz, pelo trabalho amarrado, que até hoje se diz, que nos tempos do passado, se chamava esse país, Portugal suicidado.”

José Carlos Ary dos Santos

Faz hoje 36 anos que os Capitães de Abril, com o apoio do povo, da imprensa, rádio, actores, músicos, académicos e da grande maioria das Forças Armadas, conseguiram libertar a Liberdade, enclausurada nas masmorras do Fascismo por 48 anos. Viva o 25 de Abril! Viva o Movimento das Forças Armadas – MFA! Continuar a ler

O Dragão Alado ou a Força Sexual

Dragão Alado

A imagem de dragões e serpentes aladas estão presentes em todas as tradições populares, nos contos e mitologias, e o seu simbolismo é quase idêntico em todas as culturas.

Estas histórias falam-nos de um dragão que raptou a bela princesa, inocente e pura, e a guarda ciosamente, prisioneira na torre mais alta e inacessível de um castelo. A pobre princesa chora e sofre pedindo ao Céu ou aos Deuses que lhe enviem um salvador. Mas, uma sucessão interminável de cavaleiros tentam libertá-la e vão sendo vencidos e despojados dos seus bens pelo terrível dragão, que acumula as riquezas roubadas nos subterrâneos do castelo. Mas um dia surge um cavaleiro mais nobre, mais belo e mais puro que todos os outros e este jovem príncipe privilegiado, bem armado e bem instruído, por algum sábio ou mago, consegue uma vitória sobre o dragão. E assim, liberta a princesa do seu cativeiro e trocam doces beijos e carinhos. O belo cavaleiro toma como prémio todas as riquezas acumuladas pelo dragão e finalmente, ambos montados sobre o enorme monstro, agora domado, voam pelo espaço e percorrem o mundo. Continuar a ler

O Nevoeiro

Arte by kraftili