Sons no Passeio

Art by Vladimir Kush

Os saltos das minhas botas ecoavam na calçada, ao voltar para casa. Mas só eu os ouvia. Num passo lento e bem marcado, caminhava ligeira, no meio dos outros seres que iam e vinham. Observei-os atentamente. Estavam próximos de mim, mas soavam longínquos e fantasmagóricos. Cada um mergulhado no seu próprio mundo de lua negra. Lábios que sorriam para o nada. Sobrolhos franzidos. Rostos ansiosos. Orgulhosos. Impenetráveis. Libidinosos. Tristonhos. Alienados. Dedos ágeis que escreviam sms’s e aguardavam a resposta com urgência. Olhos baços, que refletiam lágrimas na garganta. Rostos expressivos, que cantavam canções surdas, ao ritmo privado duns phones. Continuar a ler